Você conhece a banda Leaving Eden?

Leia mais

Novo vídeo da banda Kamelot: Liar, liar

Leia mais

Novo vídeo da banda Angra

Leia mais

21 julho 2013

Tristania: Entrevista com Mariangela Demurtas (vocal)

Retirada do site: http://newnoisemagazine.com/exclusive-interview-w-tristania-by-eric-may
Eric May: Darkest White  mostra a banda em uma luz completamente diferente do Rubicon. Você  considera uma evolução natural?

Mary: Sim !!! E eu simplesmente digo isso porque eu noto a diferença  na banda antes do Rubicon e antes de Darkest White. Falando sobre a composição, foi desta vez mais confiante, mais eficaz e elaborada. Lembro-me de que, durante o primeiro álbum, a gente não se conhecia bem e foi  muito difícil encontrar um gosto comum pela música. Fizemos isso, mas agora com o último álbum nós sabemos exatamente o que queremos dizer e como. É por isso que este último é mais direto, forte, poderoso e metal do que o anterior.

tristania_-_darkest_white_cover

E: Você pode descrever o processo de gravação para Darkest White?

M: Nós todos gravados em momentos diferentes. (...) Descobrimos que estávamos trabalhando juntos quase ao mesmo tempo. O produtor Christer André Cederberg tornou tudo muito mais fácil para nós, sendo tão positivo e entusiasmado o tempo todo, e eu gravei todas a minha parte em três noites. (Risos.)

Mariangela Demurtas - Tristania
E: O que o título do álbum  se refere? O que você descreveria como Darkest White?

M:  É o melhor título para  a maioria dos aspectos das letras. Pode descrever a luz branca na extremidade do túnel, por exemplo, ou um deslumbramento humano para algo que é auto-destrutivo.

Tristania
E: Qual é a mensagem, se houver, em Darkest White?

M: As letras querem  evocar imagens e pensamentos no ouvinte, e não há nenhuma "chave real" para o que devem dizer a quem as ouve. Elas muitas vezes não são escritas com algo pessoal e específico em mente.
E: O que você pensa sobre a sociedade nos dias de hoje? 

M: Sempre devemos ter esperança, é claro. Hoje em dia as coisas estão muito foda, mas sinceramente, sempre foi assim. Nunca houve apenas paz. Encontro-me com  muita sorte de existir, para descobrir e ter possibilidades e oportunidades. É muito ruim que às vezes nos esquecemos o quão sortudo somos realmente. Nós apenas temos que continuar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Santuário do Metal - 2012. Todos os direitos reservados.
Criado por: Raquel Alves.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo